segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Só hoje


Cartas ou livros? Tanto faz. Ambos podem dizer muito ou pouco. Até mesmo nada. As palavras é que são inconstantes, como eu.
Você pode me escrever sempre que quiser. Mesmo que nada faça sentido, mesmo que seja apenas uma frase com quatro sílabas.
Se um dia me perguntarem qual palavra eu mais gosto, eu direi que é qualquer uma que você já me disse. O tom da sua voz deixa as palavras mais bonitas, e você nem sabe disso. Eu conheço seus segredos muito mais do que você. Suas cores, músicas, lugares, pessoas e gestos preferidos. Sei todos.
Enquanto isso, eu só tenho um segredo: você. E te guardo com sete chaves dentro dos meus pensamentos, pra quando eu for dormir, sonhar com você a noite inteira.
Só por hoje, vamos esquecer do mundo. Vamos sentar na calçada, cantar algumas canções. Olhar pro céu a procura de aviões. Ficaremos rindo à toa em plena segunda-feira. Ou terça? Não importa, afinal.
Vamos gritar, correr, pular. Quero ver seus olhos brilharem mais uma vez. E quero um sorriso.
Viveremos para sempre, eu e você. Caso contrário, quero apenas uma noite inteira. Estaremos a sós, no meio do nada. Como uma estrela pequenina, perdida em pleno oceano...








" Eu gostaria de viver com você, mas não foi por isso que vim. A intenção é unicamente deixá-lo saber que é amado e deixá-lo pensar a respeito, que amor não é coisa que se retribua de imediato, apenas para ser gentil. Se um dia eu for amada do mesmo modo por você, me avise que eu volto, e a gente recomeça de onde parou, paramos aqui ".
(Martha Medeiros)

Um comentário: